Bricolagem I – X eminente professorx de filosofia descobre-se mortal como Sócrates

Por André Braga     X eminente professorx de filosofia encontrava-se sentado numa larga poltrona, num quarto de dormir; e era um crepúsculo magnífico, que deixava entrar pela janela o ar putrefato do rio. Elx olhava mudo para o céu, que se tornava cada vez mais azul, as sombras violeta do vale, as cristas ainda … Continue lendo

A nudez castigada do sujeito masculino: lancinho do tempo histórico

Por Caio Sarack A reflexão vem pulsante, assim como a força explosiva que nos espreita na vida. Alguns autores dirão que Turma do Pagode é exemplo de diluição (verve poundiana), mas cá venho mostrar “que Lancinho”, produção agora de 2012, recente, mas não menos colada à realidade, é uma denúncia – de inspiração foucaultiana – … Continue lendo

Crise do transporte na Omniversidade de São Paulo

Por Leandro Lemuria Os circulares na Omniversidade de São Paulo têm estado cada vez mais lotados, os únicos horários em que é possível pegar um ônibus vazio, são os horários da madrugada. Mas como de madrugada os circulares são extremamente escassos, às vezes demorando mais de uma hora para passar, prefiro voltar para casa a … Continue lendo

Estação Sé do metrô

Por Alex Pantoja   Entre as portas emperradas e os botões secretos das estações, os vândalos de Alckmin compartilham pequenas histórias nos túneis do metrô que permeiam a cidade. Uma delas vem dessas máquinas que vendem livros nas plataformas dos trens. Alguém já as notou? É curioso. Um dia passei diante de uma dessas máquinas … Continue lendo

A biblioteca

Por André Braga Em tempos de grandes possibilidades de mudança na política nacional, gostaria de tomar o tempo dxs senhorxs para um tópico menor. Peço que tomem como um chiste, algo para alegrar o dia em meio a tantas coisas sérias que passamos o dia inteiro lendo: não há necessidade de dar mais relevância a … Continue lendo

A uma leitora

Por André Paes Leme “A arte de perder não é nenhum mistério Tantas coisas contêm em si o acidente De perdê-las, que perder não é nada sério.” (Elizabeth Bishop) Embora seja certo que (quase) ninguém mais se lembre, tive, há não muito tempo, a honra de contribuir com algumas modestas páginas nas primeiras edições desta … Continue lendo

O que há de belo nas madrugadas de inverno

Por Rafael Lauro 2 horas da manhã e um frio de doer os ossos. Deito na cama e rapidamente me enfio debaixo das cobertas. Piorou! Os lençóis, gelados como a neve, fazem meu corpo estremecer. Encolho-me. Imóvel, sinto o calor chegar. Os músculos começam a relaxar, um sorriso se esboça. Aliviado, arrisco sair da posição … Continue lendo

A nova condição humana

Por André Oliveira Movido por pruridos de esperança ou de estultice – ou até mesmo por mero senso prático –, quero deixar registrado o momento de grande tumulto espiritual por que passa a humanidade no tempo presente. Impressões e descrições tiradas ainda quentes das vicissitudes, embora não possam contar com a ponderação que o tempo concederá aos  pósteros, possuem a grande virtude … Continue lendo

O fogo da vida – Richard Rorty

Tradução por Igor de C. e S.C. (Publicado originalmente em Poetry Foundation, o pequeno ensaio foi o último publicado durante a vida do filósofo norte americano Richard Rorty (1931 – 2007).) Em um ensaio chamado “Pragmatismo e Romantismo” tentei revalidar o argumento de “Defesa da Poesia”, de Shelley. No coração do romantismo, eu disse, estava a tese de que … Continue lendo

Os retratos de Salinas

Por Michel Amary Escrever uma biografia é como pintar um retrato! As cores são as palavras que se interpõem ao desafio da página em branco:  apresentar uma imagem de nosso personagem. O retrato não inventa história, não cria ficção, por mais absurda que a  história que se conte seja, mas faz das faculdades da imaginação um dos grandes instrumentos do retratista … Continue lendo